Como realizar a gestão de resíduos em universidades

06 de Julho de 2017

Como realizar a gestão de resíduos em universidades

Aos poucos já percebemos na mídia e nas redes sociais um aumento do engajamento por parte da sociedade, empresas e Instituições em relação a preocupação com o meio ambiente. O crescimento populacional está diretamente ligado a esta manifestação, no qual a urbanização trouxe consigo a geração desenfreada de resíduos.


Com a tecnologia e o avanço da construção civil e da indústria farmacêutica, por exemplo, podemos observar uma mudança significativa na composição, característica e no aumento da periculosidade dos resíduos sólidos usados nos cursos das universidades. Este crescimento reflete no desenvolvimento dos padrões de consumo da população e no modo de descarte dos resíduos gerados em universidades.


Para obter uma visão mais dinâmica em relação a geração de resíduos sólidos em universidades, refletimos sobre a quantidade de cursos oferecidos na Instituição das mais diversas áreas de atuação no mercado de trabalho. Isso desencadeia um fluxo grande de pessoas e de geração de vários tipos de resíduos sólidos, sendo eles perigosos ou não.

No ambiente universitário, assim como em qualquer empresa, caso os resíduos não sejam bem gerenciados, é possível que sejam conduzidos de maneira inadequada para lixões, causando poluição, tanto do solo quanto do lençol freático.
Além disso, o descarte incorreto pode contaminar os cursos d’água existentes nas proximidades, que são usados para captação de água para tratamento e posterior consumo humano.
Para obter um conhecimento amplo da quantidade e dos tipos de resíduos sólidos gerados em universidades, é necessário a implantação de um plano de ações de manejo adequado com respectivo plano de gerenciamento de resíduos sólidos (PGRS), tendo como objetivo de análise a geração na fonte, a separação, destinação adequada para estes resíduos.
Esses planos devem ser feitos com o uso de estratégias específicas para cada tipo de organização e precisam do apoio direto de ferramentas de gestão para auxiliar o controle e otimizar os processos.

Gerenciamento de resíduos e a preservação ambiental em universidades

Para que se possa praticar a consciência ambiental de preservação e destinação correta dos resíduos sólidos gerados pelas universidades, é preciso organizar estratégias de gestão em todos os setores da Instituição.
Uma das ações plausíveis de serem acatadas pelos alunos, colaboradores e comunidade, é a inclusão de lixeiras maiores que agregam vários tipos de categorias, como exemplo: plástico, metais e vidros entre outros. Além disso, utilizar sacos nas cores do padrão CONAMA para que os resíduos sejam armazenados corretamente.
Também é possível implantar composteiras para os resíduos orgânicos, que podem ser usadas até mesmo por alunos em aulas práticas sobre sustentabilidade e meio ambiente.
Referente aos resíduos considerados perigosos (resíduos de serviço de saúde e laboratórios de efluentes ou de construção civil) o cuidado deve ser redobrado e eles precisam ser coletados e armazenados em locais adequados dentro da Instituição. Preferencialmente, esse tipo de material deve ser recolhido por empresas especializadas e licenciadas que usam de sistemas de gestão de resíduos para o descarte correto e que mantenham as exigências de legislação em dia.
Já os materiais que são considerados recicláveis precisam ser armazenados de forma específica em local seco e fechado, até a destinação correta, para que não tenha acesso a outras substâncias que alterem sua composição.

Mais do que o fortalecimento da imagem da universidade como uma organização sustentável, é de suma importância a implantação de um Sistema de Gestão Ambiental dentro de cada setor. Desta forma, a consciência e a atitude de preservação ambiental impacta no consumo e na destinação de resíduos, trazendo benefícios para o bem-estar do meio ambiente, através da otimização dos materiais, redução de energia, reaproveitamento de recursos naturais e práticas conscientes e responsáveis.